Preconceito é crime!

Preconceito é crime!

O texto publicado esta semana no blog do jornalista Jairo Marques, editor-assistente de Cidades da Folha de São Paulo, aborda um tema sobre o qual já falamos algumas vezes aqui neste espaço, mas que, pelo jeito, precisará ser explicado, reexplicado, destacado e destrinchado até que seja realmente compreendido pela sociedade. Reproduzimos a seguir o excelente texto de Marques. Confira.

Cuidado com seu capacitismo: preconceito é crime

Capacitismo é uma palavra bem estranha à língua portuguesa, mas, pelo movimento de uso, que só se expande no país, principalmente nas redes sociais, deve mesmo se consolidar como uma espécie de designação do preconceito contra pessoas com deficiência.

O termo guarda relação com capacidades ou incapacidades projetadas, inventadas ou subestimadas. Ser capacitista implicaria imputar ao outro características-padrão que seriam geradas por sua condição física, sensorial ou intelectual.

Assim, por exemplo, toda criança cadeirante seria um anjo, toda pessoa cega seria desorientada, não ter os braços seria ter inabilidade para trabalho, ter paralisia cerebral implicaria não saber pensar ou agir e um caminhão de outros rótulos construídos ao longo do tempo, invariavelmente estigmatizados, equivocados e inferiorizantes. Cada “serumano” é único.

Diferentemente de outras expressões que falam diretamente às suas intenções, como racista está para agressão à raça, como machismo está para os conceitos arraigados do macho, como homofobia –e também a transfobia, a velhofobia– está para o ódio a um grupo, ser capacitista não relaciona diretamente a uma atitude contra o povo que não anda, não vê, não enxerga…

Isso afeta um bocado a clara identificação de ações discriminatórias que acabam ganhando vestes de piadas, de ações impensadas e até de liberdade de expressão, nunca de uma postura que desqualifica, humilha e ofende.

Em recente reportagem a respeito de pessoas com nanismo, da Folha, uma avalanche de comentários jocosos, carregados de ironias, se formou em postagens no Instagram. Uma afronta que não pode mais ser encarada como “coisa de internet”.

A reação aconteceu, principalmente, em resposta ao fato de membros desse grupo recusarem o rótulo de “anões”, termo que, historicamente, foi ganhando conotações ridicularizantes e não condizentes com a realidade de quem tem nanismo. As dores são de quem sente, não de quem chicoteia.

O capacitismo é crime expresso pela Lei Brasileira de Inclusão, que prevê, inclusive, pena de prisão aos infratores. Como os principais protegidos pela medida ainda mal conseguem ter o básico de cidadania –ir, vir e permanecer–, gritar contra as opressões é processo que vai levar tempo.

Por enquanto, a coisa funciona da mesma maneira como perduraram ofensas, agressões e rebaixamentos feitos ao negro no país. Quem praticava achava que era bobagem, quem recebia sentia, se oprimia e esperava que o tempo trouxesse justiça.

Com um Congresso, com parcas exceções, inacreditavelmente alheio ao aprofundamento do debate da diversidade e agindo pelo capacitismo –emperrando benefícios fiscais, ausentando-se de debates como o da educação inclusiva, por exemplo, e alterando leis que facilitam a exclusão–, a proteção efetiva só atrasa mais.

O alento é que um molho de cidadania, engrossado por entidades civis e por gente mais humana, começa a levantar fervura em defesa da dignidade às pessoas com deficiência e, talvez, o capacitismo seja reconhecido e enfrentado com menos séculos de atraso que outros preconceitos cultivados.

Outro ponto que joga a favor é que a força de mobilização das diferenças tem sido cada vez mais efetiva e reativa. Todo o mundo está exposto a ter atitudes atreladas a valores ultrapassados e ancorados na ignorância, mas não ter o mínimo de cuidado para entender como suas posturas podem atingir negativamente a vida do outro não pode mais passar incólume.

Jairo Marques
Editor-assistente de Cidades da Folha de São Paulo

Formado em jornalismo pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, tem pós-graduação em Jornalismo Social pela PUC-SP. É repórter e colunista de Cotidiano, escrevendo sobre acessibilidade. Mantém o blog Assim como Você.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Skip to content
Close Bitnami banner
Bitnami